Nobel de Medicina defende que ‘negros são menos inteligentes’ por razão genética

  • Por Jovem Pan
  • 04/01/2019 15h21
Wikimedia Commons - reproduçãoEssa não é a primeira vez que ele faz declarações deste tipo

Premiado em 1962 como co-descobridor da estrutura do DNA, o biólogo James Watson voltou a afirmar, no documentário “Decodificando Watson” lançado na última quarta-feira (2), que negros são menos aptos intelectualmente do que brancos devido a diferenças genéticas. “Entre os brancos e os negros existem diferenças nos resultados dos testes de inteligência. Eu diria que a diferença é genética”, expressou.

Essa não é a primeira vez que o Nobel da medicina faz declarações racistas com base em teorias biológicas descartadas pela ciência contemporânea. Em 2007, ao falar sobre políticas de cooperação para desenvolvimento de países do continente africano, Watson disse que “políticas sociais se baseiam no fato de que sua inteligência é a mesma que a nossa, enquanto todas as evidências dizem que não”. “As pessoas que têm de lidar com empregados negros sabem que isso [igualdade intelectual entre brancos e negros] não é verdade”, disparou.

Agora, com a divulgação do documentário que fala sobre suas descobertas e sua carreira, ele garantiu que tentou encontrar evidências que o convencessem de que estava errado, mas afirmou não ter tido sucesso.

“Em absoluto. Gostaria de ter mudado, de que houvesse novas descobertas científicas que mostrassem que o adquirido é muito mais importante do que o inato, mas não as vi.”

Após 2007, Watson deixou de ser convidado para palestras e acabou deixando o cargo de reitor do laboratório Cold Spring Harbor, em Long Island, nos EUA, um dos mais prestigiados do país. Chegou, inclusive, a ser o primeiro vencedor do Nobel a leiloar a sua medalha – feita de ouro – para pagar contas. O prêmio foi vendido a um magnata russo por 4,8 milhões de dólares, algo em torno de R$ 18 milhões.