Noruega: Cruzeiro consegue reativar motores e resgates são suspensos

  • Por Jovem Pan
  • 24/03/2019 10h52
EFENavio ficou cerca de 24 horas ancorado até conseguir reativar motores

O cruzeiro que sofreu uma falha mecânica no sábado (23) devido aos fortes ventos e ondas registradas no litoral oeste da Noruega conseguiu religar os motores e está navegando por conta própria rumo ao porto de Molde, no próprio país.

Fontes do serviço de resgate norueguês informaram que a operação de retirada dos passageiros da embarcação foi suspensa após a reativação de três dos quatro motores do cruzeiro Vikings Sky. Até o momento, 463 de 1.373 pessoas que estavam a bordo já haviam sido resgatadas.

O Vikings Sky, que estava ancorado, tinha começado a ser rebocado por outras duas embarcações, navegando com uma velocidade de 7 nós (cerca de 13 quilômetros por hora). Agora, já se movimenta sem ajuda de equipamentos.

Resgate

A operação de resgate dos passageiros começou no sábado, mas foi muito dificultada por fortes ventos e ondas registrados no local onde os motores do navio falharam. Três helicópteros, que levavam de dez a 15 pessoas por vez, participavam da ação.

As autoridades da cidade de Fraena, onde foi montado um centro de amparo para os resgatados, informaram que 17 pessoas foram hospitalizadas, três delas em estado grave. Depois de triagem, os passageiros foram levados a hotéis da região.

Socorro

O Viking Sky enviou sinal de socorro por problemas no motor por volta das 14 horas locais de ontem (10h em Brasília), quando estava a 5 km do litoral de Hustadvika, região complexa para navegação, já que ventos e correntes marinhas são frequentes.

O navio realizava o trajeto entre Tromso, no norte da Noruega, e Stavanger, no sul do país, com 1.373 pessoas a bordo. Do total, 915 são passageiros, a maior parte deles turistas dos Estados Unidos e do Reino Unido, além 458 tripulantes.

Alguns passageiros começaram a divulgar nas redes sociais vídeos de dentro do cruzeiro. Nas imagens, é possível ver parte da mobília da embarcação à mercê das fortes ondas registradas na região.

*Com informações da EFE