Veja quais países reconhecem Juan Guaidó como presidente da Venezuela e quais seguem com Maduro

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2019 19h07
EFEJuan Guaidó se declarou presidente interino da Veneuzela nesta quarta-feira (23)

O líder da Assembleia venezuelana, Juan Guaidó, se declarou nesta quarta-feira (23) o presidente interino da Venezuela durante protestos contra o ditador Nicolás Maduro.

Após o anúncio de Guaidó, vários países já se posicionaram a favor e contra o governo. Veja abaixo quais países reconhecem o oposicionista como presidente e quais seguem com Maduro:

Brasil

O presidente Jair Bolsonaro emitiu um comunicado reconhecendo Guiadó como presidente interino da Venezuela. Ele afirmou que o Brasil “apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social volte à Venezuela”.

Estados Unidos

O governo dos Estados Unidos também reconheceu Juan Guiadó como o novo presidente da Venezuela. Pelo Twitter, o presidente Donald Trump anunciou oficialmente o apoio. “Os cidadãos da Venezuela sofreram por muito tempo nas mãos do ilegítimo regime de Maduro”, escreveu.

Argentina

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, reconheceu Guiadó e prometeu que o país apoiará “os esforços de reconstituição da democracia venezuelana e o restabelecimento das condições de vida digna para todos seus cidadãos” em um post no Twitter.

Paraguai

Mario Abdo Benitez, presidente do Paraguai, afirmou que o país apoia Juan Guaidó. “Contem conosco para abraçar novamente a liberdade e a democracia”, escreveu Benitez no Twitter.

Colômbia

Em um pronunciamento em Davos, na Suíça, que recebe o Fórum Econômico Mundial, o presidente da Colômbia, Ivan Duque, afirmou que o país reconhece a presidência de Juan Guaidó e que a Colômbia acompanha o processo de transição da Venezuela à democracia.

Peru

Também em Davos, a vice-presidente do Peru, Mercedes Araoz, afirmou que conversou com o presidente Martín Vizcarra e que o Peru apoiará a transição na Venezuela.

Canadá

Ainda na Suíça, a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, confirmou em nome do governo que reconhece e apoia o presidente interino da Venezuela Juan Guaidó.

Chile

Pelo Twitter, o presidente do Chile, Sebastián Piñera, confirmou que o país reconhece a presidência de Guaidó. “Maduro é parte do problema, e não da solução, e a única saída pacífica para a crise da Venezuela são eleições livres”, escreveu no Twitter.

Equador

O presidente do Equador, Lenín Moreno Garcés, fez um pronunciamento para anunciar o apoio do país ao governo interino da Venezuela. “O Equador sempre demonstrou sua solidariedade com o povo da Venezuela e pediu muitas vezes para que a crise pela qual o país passa fosse solucionada por meios pacíficos”, disse.

Guatemala

Também pelo Twitter, a ministra das Relações Exteriores da Guatemala, Sandra Jovel, confirmou que o país reconhece o novo governo da Venezuela.

Costa Rica

No Twitter, o presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada, também reconheceu a presidência de Juan Guaidó. “Defendemos o diálogo, a paz e novas eleições livres”, escreveu.

México

O governo do México afirmou que a gestão de Andrés Manuel López Obrador continua reconhecendo Nicolás Maduro como presidente da Venezuela. “Não há mudanças de postura, e isto implica em que o México segue reconhecendo Nicolás Maduro como presidente. Ele é o presidente democraticamente eleito”, disse o porta-voz da presidência Jesús Ramírez Cuevas.

Bolívia

O presidente da Bolívia, Evo Morales, defendeu o ditador Nicolás Maduro. “As garras do imperialismo buscam novamente ferir de morte a democracia e a autodeterminação dos povos da América do Sul”, escreveu no Twitter.

Rússia

O Senador do Conselho da Federação Russa Andréi Klímov afirmou ao portal espanhol “RT” que o país não mudará o reconhecimento a Nicolás Maduro como presidente da Venezuela.

Turquia

O ditador Nicolás Maduro afirmou que tem o apoio de Recep Tayyip Erdogan, presidente da Turquia. “Erdogan disse: ‘presidente amigo, siga adiante. O povo de Venezuela conta com todo apoio da Turquia’. Temos o apoio dos povos conscientes do mundo”, disse.