Polícia investiga responsáveis por textos falsos sobre Marielle Franco

  • Por Estadão Conteúdo
  • 24/03/2018 17h23
Reprodução/FacebookTanto quem criou como quem replicou as informações pode ser indiciado por crimes

A Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) do Rio de Janeiro instaurou na sexta-feira (23) um inquérito para tentar identificar os autores e disseminadores de textos difamatórios contra a vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada no dia 14.

Um grupo de advogadas recolheu nas redes sociais e entregou à DRCI 17 mil postagens contendo mentiras sobre Marielle. Tanto quem criou como quem replicou esses textos podem ser indiciados pelos crimes de calúnia, injúria ou difamação. A maior pena prevista para esses crimes é de dois anos, no caso de calúnia.

Uma equipe de especialistas em rastrear a origem de postagens nas redes sociais começou a analisar as postagens neste sábado (24) mas até o início da tarde não havia avanços na investigação.