PT diz que declarações de Galloro representam abuso de autoridade

  • Por Estadão Conteúdo
  • 12/08/2018 16h18
Valter Campanato/Agência BrasilDiretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, falou sobre ligações que recebeu quando foi expedido habeas corpus em favor do ex-presidente

O Partido dos Trabalhadores (PT) reagiu à entrevista com o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, publicada no jornal “O Estado de S. Paulo” neste domingo, 12. Em nota, a legenda criticou o que qualifica como “abuso de autoridade” e “violência jurídica” e afirmou que as declarações de Galloro são um retrato do sistema atual, que teria como objetivo evitar um novo mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso pela Operação Lava Jato.

Na entrevista, a primeira desde que assumiu o cargo, há cinco meses, o diretor da corporação relata detalhes das negociações para prender o ex-presidente e cita que 30 policiais estavam prontos para invadir o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC caso Lula não se entregasse. Detalha também os bastidores da ordem do desembargador Rogério Favreto para soltar Lula e a contraordem do juiz Sérgio Moro em 8 de julho.

“É um verdadeiro retrato do sistema podre a que estamos submetidos”, diz a nota. “A ilegalidade da prisão de Lula e da revogação do habeas corpus concedido a ele naquele domingo (8 de julho) já haviam sido denunciadas pela comunidade jurídica. Mas é ainda mais escandalosa a desfaçatez de agentes do Judiciário e da Polícia Federal, ao expor em público sua conduta ilegal e as razões políticas que os moveram”, afirma o documento.

O partido pede que a sociedade e as forças democráticas exijam do Conselho Nacional da Justiça, do Ministério da Justiça e do Senado pronunciamentos sobre o assunto. O documento diz ainda que a sigla não vai aceitar “passivamente a perseguição política e injusta” ao ex-presidente Lula.