Denise Campos de Toledo: Combate à corrupção foi avanço, mas houve consequência na economia

  • Por Jovem Pan
  • 15/07/2019 10h02
ReproduçãoO ex-presidente da empreiteira OAS, Léo Pinheiro, foi preso em investigações da Lava Jato

OAS acumula novas dívidas e corre risco de falir. É o que apontam relatórios da administradora-judicial nos autos do processo de recuperação da empreiteira, cujo presidente Léo Pinheiro foi preso pela Lava Jato.

“Eu acho que no processo de combate à corrupção essas empresas precisaram interromper uma série de projetos. Independentemente da necessidade de termos o combate a corrupção, houve uma consequência no ponto de vista da economia. As empresas demitiram demais, desativaram projetos. Isso comprometeu o andamento da atividade econômica em várias regiões e cidades. E não é só a questão das empreiteiras. Tem a questão, por exemplo, da Petrobras, que até agora passa por um processo de redimensionamento tentando reduzir a área de atuação, buscando maior eficiência e tentando se adequar a todo o rombo financeiro que ela enfrentou em boa parte por conta da corrupção. Então o combate à corrupção teve uma consequência, sim, sobre a economia.”