Felipe Moura Brasil:Haddad provoca, Bolsonaro ironiza

  • Por Jovem Pan
  • 12/10/2018 08h33
MontagemReferindo-se às mudanças de discurso de Haddad e de roupagem de sua campanha, o deputado disse que o petista “age como um camaleão"

Fernando Haddad desafiou Jair Bolsonaro:

“Deputado Bolsonaro, vem contar para o povo brasileiro o que você fez durante 28 anos no Congresso Nacional. Vem pro debate!”

Em evento do PSL, Bolsonaro citou o desafio de Haddad e respondeu:

“Não roubei ninguém, Haddad.”

Após risos e aplausos de aliados e apoiadores, o deputado devolveu outra pergunta ao representante do presidiário Lula:

“Você, como presidente, aceitaria que o crime organizado continuasse sendo comandado de dentro dos presídios?”

Bolsonaro foi novamente aplaudido e comentou:

“Vou debater o que com um cara que nem poste é, é um fantoche, é um pau mandado.”

Referindo-se às mudanças de discurso de Haddad e de roupagem de sua campanha, o deputado disse que o petista “age como um camaleão”.

Aspas: “As cores do PT agora são verde e amarela. Eu vi Haddad falando em família. Eu vi Haddad falando em Deus. Eu fico com vergonha. Ele está cumprindo à risca o que o Lula manda ele falar.” Fecho aspas.

Bolsonaro ainda comentou a análise crítica do general Hamilton Mourão sobre o 13º salário, que fez Haddad atribuir ao próprio Bolsonaro a ideia de cortá-lo.

“O vice falou que a estrutura remuneratória no Brasil é uma jabuticaba, citou o 13º. Em nenhum momento falou que ia acabar com o 13º. Ele até ontem deu uma ideia brilhante, procurou o Paulo Guedes e falou de estender o 13º para quem ganha o Bolsa Família. E quando chegou ao meu conhecimento, de imediato eu falei: o recurso virá do combate à roubalheira, à fraude que existe no Bolsa Família, então parabéns ao general Mourão pela propositura.”

Haddad ainda havia acusado Bolsonaro de dar um cavalo de pau em sua posição sobre o Bolsa Família, sem admitir nenhum cavalo de pau em sua própria campanha.

Mas o petista só conseguiu reunir trechos de discursos antigos de Bolsonaro em que ele criticava o uso eleitoral que o PT fazia do programa, sem porta de saída para que os beneficiários arranjem emprego e conquistem sua independência do Estado.

Diante da dificuldade de emplacar qualquer narrativa capaz de desconstruir o adversário, que está 18 milhões de votos à frente dele, segundo a pesquisa XP, e tem se atido de modo mais sereno às posições que sustentaram sua campanha até aqui, o jeito para Haddad foi vestir uma camiseta do Pink Floyd após o vocalista Roger Waters se manifestar contra Bolsonaro em show em São Paulo e ser vaiado por isso.