Votos dos ministros de STF e STJ mostram quem eles são

  • Por Felipe Moura Brasil/Jovem Pan
  • 03/07/2018 08h17
Reprodução/FacebookAs nossas opiniões sobre os objetivos e compromissos de ministros do STJ e do STF, felizmente, só precisam da análise combinada de seus currículos, indicações e decisões

Dois anos atrás, o ex-senador Delcídio do Amaral disse em colaboração premiada que Marcelo Navarro Ribeiro Dantas foi indicado por Dilma Rousseff para o STJ com o compromisso de favorecer empreiteiros como Marcelo Odebrecht.

Ontem, “O Globo” publicou uma entrevista com o ministro Ribeira Dantas, na qual ele diz que, embora “terrível”, o instrumento da delação é “indispensável”.

“As delações são um instrumento terrível. Não sou propriamente contra elas, mas não me são simpáticas porque você usa aquilo que há de pior no ser humano, o desespero, a necessidade de tentar sair de uma situação, colocando outro que participou da empreitada criminosa dele, ou não, no fogo. Mas reconheço que é um instrumento de política criminal hoje indispensável.”

Ribeiro Dantas disse também: “Quando vaza uma delação, apesar de os casos serem, em sua maior parte, sigilosos, o alvo é exposto. Muitas vezes as afirmações não se comprovam. O processo finda com o delatado não sendo processado ou sendo absolvido, mas a vida dele já foi prejudicada.”

O inquérito sobre Ribeiro Dantas foi arquivado, porque a Polícia Federal não encontrou provas.

Em outras palavras: não valeram como provas os votos (felizmente vencidos) de Ribeiro Dantas a favor da libertação de Marcelo Odebrecht e de Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez.

Já os ministros do STF Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski nunca foram alvos de uma delação sobre favorecimento a políticos do PT.

Se fossem, tampouco valeriam como provas os votos de ambos a favor da libertação de José Dirceu e Antonio Palocci e do habeas corpus preventivo a Lula.

Processos criminais requerem provas de crimes.

As nossas opiniões sobre os objetivos e compromissos de ministros do STJ e do STF, felizmente, só precisam da análise combinada de seus currículos, indicações e decisões.