Joseval Peixoto: Para quem não é extremista, será difícil votar

  • Por Jovem Pan
  • 10/10/2018 11h27
Elza Fiúza/ABrQualquer que seja o eleito, será difícil vencer a crise. Será difícil governar

Para quem não é extremista vai ser difícil votar. O alerta do escritor Vargas Llosa de que o país terá que escolher entre a Aids e câncer terminal passou a ser uma verdade doída para grande parte dos brasileiros.

De um lado, o direitista Jair Bolsonaro, o truculento apologista da ditadura militar e de outro Fernando Haddad – o preposto de um presidiário – escreve em artigo de fundo o jornal O Estado de S. Paulo.

Do lado de Bolsonaro, acrescenta, mesmo o mais bem informado eleitor terá dificuldade em saber quais suas propostas para tirar o país do iminente desastre fiscal, porque nas poucas vezes em que foi questionado sobre o tema o ex-capitão gaguejou.

Já as propostas lulopetistas são bem conhecidas de todos, pois foram essas ideias que mergulharam o país na mais profunda crise econômica, política e moral de todos os tempos. E a crise continua.

É profunda. Amarga. Invade todo o campo social e econômico do país. E a guerra política vai atingir o parlamento. E não vai acabar no dia 28 próximo.

Qualquer que seja o eleito, será difícil vencer a crise. Será difícil governar.

E parece que o drama da cúpula vai descer para a rua. Vai atingir o povo e irá penetrar nos lares brasileiros – onde a dissensão entre pais, filhos e irmãos já começou.

E, portanto, também será difícil viver.