Único país do mundo onde a impunidade impera é aqui

  • Por Jovem Pan
  • 03/04/2018 07h42
Amanda Oliveira/ GOVBA“Entre 193 países, em 192 a prisão é primeira ou segunda instância. Único país do mundo onde a impunidade impera é aqui. Isso tem de terminar", diz Villa

Juízes e promotores reúnem mais de cinco mil assinaturas e pedem ao STF a manutenção da possibilidade de prisão do réu condenado em segunda instância.

Entre os signatários estão o procurador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, e o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Advogados também apresentam abaixo assinado e pedem ao Supremo os julgamentos de ações que pedem a revisão da prisão após segunda instância.

O documento, assinado por 3,6 mil profissionais, requer que a Corte só permita prisões após esgotados os recursos em todas as instâncias da Justiça.

“Entre 193 países, em 192 a prisão é primeira ou segunda instância. Único país do mundo onde a impunidade impera é aqui. Isso tem de terminar. O povo brasileiro exige o fim dessa excrescência que protege criminosos”, diz Marco Antonio Villa.

Confira o comentário completo: