Villa: Em vez de jogar água na fogueira, Bolsonaro joga gasolina

  • Por Jovem Pan
  • 20/05/2019 10h07
Alan Santos/PR“Prudência” deveria ser a palavra para o presidente repetir como mantra

Vamos ter uma semana complicada. Pelo cenário do fim de semana, pelo que circulou nas redes sociais, traz muita preocupação. Na última sexta-feira (17), no WhatsApp do presidente da República, ele divulgou texto que causou polêmica.

O texto conclama a um golpe de Estado. Mas Jair Bolsonaro não é Jânio Quadros e 2019 não tem semelhança com 1961.

Achei que tinha sido um rompante, porém, para a minha surpresa, outra vez pelo WhatsApp, ele usou vídeo de pastor congolês para falar que quem deve ditar os rumos do país é o povo. A relação direta entre Executivo e povo e sem mediação do parlamento é do fascismo. E isso é grave e viola a nossa Constituição.

Precisa acertar o discurso. O presidente, em vez de jogar água na fogueira, joga gasolina. Em vez de apostar em tentativa de diálogo, o Governo quer o confronto.
“Prudência” deveria ser a palavra para o presidente repetir como mantra.

Confira o comentário completo de Marco Antonio Villa: