Rodrigo Constantino: Não dá para ficar surpreso se Trump for reeleito

  • Por Jovem Pan
  • 10/04/2019 18h15
EFENos últimos dias tivemos um show de horrores dos democratas

Os pré-candidatos democratas para 2020 estão numa verdadeira corrida para ver quem se mostra o mais radical defensor do “progressismo”. Nos últimos dias tivemos um show de horrores em declarações desses políticos, acenando cada vez mais para a base extremista e influenciados pela política de identidades nessa verdadeira marcha das minorias “oprimidas”.

O senador Cory Booker, por exemplo, introduziu um projeto de lei para oferecer reparações pela escravidão. Já tinha sido uma bandeira de sua colega Kamala Harris e também de Elizabeth Warren, a Pocahontas que tem menos herança indígena do que um Jeep Cherokee. Questões práticas, de como serão essas reparações, quem terá direito a elas, quem deve pagar por elas, lembrando que há brancos que nunca tiveram antecedentes donos de escravos e negros ou mulatos cujos parentes distantes nunca foram escravos, simplesmente não entram no debate.

Fora isso, o grau de anticristianismo e pregação de aborto tardio vem aumentando entre os democratas. O vice-presidente Mike Pence, um sujeito que todos reconhecem como decente, vem sendo retratado como um homofóbico terrível, e uma lei que proíbe o aborto se for detectado o batimento cardíaco do feto foi considerada “maligna” por uma concorrente democrata. Conceitos estranhos de moral dessa gente.

Isso se junta às bandeiras pelo total socialismo no setor de saúde, agora que os pré-candidatos criticam o Obamacare como insuficiente e reconhecem que os democratas mentiram ao falar que não era uma etapa transitória para um modelo socialista pleno; os ataques aos ricos, como se bastasse aumentar impostos para bancar todos os projetos populistas da esquerda; a abertura das fronteiras para imigrantes sem qualquer critério, o que seria o caos; universidades “gratuitas” para os jovens; fim do colégio eleitoral, para introduzir uma democracia mais direta e populista; voto para adolescentes, mais suscetíveis aos engodos “progressistas”; e até voto de prisioneiros que ainda estão na cadeia!

É nisso que o Partido Democrata se transformou. Obama já é tido como muito moderado pelos seus pares, e por isso seu ex-vice Joe Biden está sob fogo amigo. O legado do ex-presidente é considerado muito tímido nas pautas socialistas. Quem vibra com esse radicalismo é Trump, claro. E por isso ele repete que a América nunca será socialista. É mesmo contra essa ameaça que ele está concorrendo. Não dá para ficar surpreso se ele for reeleito…