Doria terceiriza inscrição em prévias para simbolizar que maioria o quer candidato

  • Por Jovem Pan
  • 13/03/2018 08h08
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilÉ um último esforço para evitar as prévias, porque para ele é mais conveniente ele ser ungido candidato, o que tornaria a saída da Prefeitura mais tranquila

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), “terceirizou” sua inscrição nas prévias do partido para um grupo de tucanos. O que ele procurou simbolizar era o que ele queria que acontecesse em relação ao Planalto, dizer que houve apelo forte para deixar a Prefeitura e só por isso aceitou a inscrição nas prévias ao Palácio dos Bandeirantes. Isso que a inscrição ecumênica envolvendo vereadores, dirigentes, deputados procurou representar.

Ele também procurou juntar o maior número possível de assinaturas. Ele quer dizer que tem metade dos convencionais com ele e que a fatura já estaria liquidada. É um último esforço para evitar as prévias, porque para ele é mais conveniente ele ser ungido candidato, o que tornaria a saída da Prefeitura mais tranquila.

Se isso fosse travestido de coisa que ele não conseguiu evitar, seria melhor para ele, mas por ora ainda não foi deste jeito.

E seus adversários na corrida pelo governo de SP ainda não desistiram. A tentativa dele de evitar as prévias, em que tentou convencer Geraldo Alckmin em atuar junto aos outros, por enquanto, não foi exitoso.

Fontes dizem que pré-candidatos desistiriam, caso o governador e presidente nacional do partido solicitasse, para abrir espaço a Doria, mas Alckmin não é deste estilo e costuma atuar mais nos bastidores.

Por ora, os oponentes continuam registrados, embora Floriano Pesaro possa desistir entre esta terça e quarta-feira.

Fica a impressão de que Doria gostaria de sair da Prefeitura para disputar qualquer cargo, mas ele não terá campanha fácil. Seria mais simples se o partido estivesse unido, mas isso está longe de ocorrer ainda.

Caso Doria vença as prévias, ele e Alckmin devem caminhar juntos e não têm escapatória. Entretanto, existe no entorno do prefeito uma teoria de que uma vez ele renunciando e encampando campanha ele estaria sem apoio de Alckmin e até de seu atual vice, Bruno Covas.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: