Estratégia de Alckmin é jogar parado e assistir desistência de adversários

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2018 08h04
SecomO tucano mantém agenda com inaugurações nas obras do Metrô, em obras de capacidade hídrica e obras viárias e rodoviárias

A estratégia do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, é jogar parado. Tem sido assim e vai continuar assim. Ele vai assistindo aos poucos adversários desistirem e vai mantendo seu estilo “tranquilão”. O tucano mantém agenda com inaugurações nas obras do Metrô, em obras de capacidade hídrica e obras viárias e rodoviárias.

Paralelamente, ele vai fazer viagem a Brasília e Estados para fazer palanques regionais, de modo a tentar garantir apoios e conseguir um bloco de tempo de TV importante. Muita gente ainda acha que TV vai ser fundamental para 2018, já que há menos dinheiro e a internet não está disponível a todos.

Entre os que se colocam no jogo da corrida presidenciável está o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. Ele quer entrar em campo, vai tentar dizer que é pré-candidato, mas ninguém dá nada por essa candidatura.

O DEM chamou Alckmin para a convenção que lançará Maia, e mandaram recado ao tucano dizendo que a ideia não é ser hostil a ele, e sim fazer com que o partido cresça.

Como presidenciável, Alckmin deve deixar a coisa correr em São Paulo, o que pode levar a uma não realização de prévias estaduais. Floriano Pesaro e José Aníbal podem sair do jogo, aí sobra apenas Luiz Felipe D’Ávila, que não tem muito a perder. Desta forma, o prefeito João Doria, é o franco favorito ao governo de SP.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: