Governo anunciará aumento do rombo na semana que vem

  • Por Jovem Pan
  • 03/08/2017 11h52
BRA101. BRASILIA (BRASIL), 26/06/2017.- El presidente de Brasil, Michel Temer, participa hoy, lunes 26 de junio de 2017, en una Ceremonia de Sanción de la Ley que regula la Diferenciación de Precio, en el Palacio de Planalto, en la ciudad de Brasilia (Brasil). Temer, que entre hoy y mañana puede ser denunciado formalmente por supuesta corrupción, participó en un acto con empresarios, se mostró sereno y afirmó que "nada" lo "destruirá". EFE/Joédson AlvesO governo fala em um “legado institucional” que permita ao próximo presidente, eleito em 2018, superar de vez a crise

O aumento do rombo na meta fiscal do governo virá na semana que vem, informa a colunista Vera Magalhães.

O governo Temer não quer chegar a um déficit de R$ 159 bilhões, mas busca fazer um déficit menor que o de 2016, por uma questão política e simbólica. O Planalto quer traçar uma linha decrescente no buraco dos cofres públicos. Assim, mudança na meta fiscal de 2017, hoje em déficit de R$ 139 bilhões, não deve der maior que R$ 20 bilhões.

O Planalto vai alterar, ao mesmo tempo, a meta fiscal de 2018, hoje em R$ 129 bilhões de déficit. A previsão inicial era de rombo de R$ 79 bilhões e a última revisão aconteceu em abril.

Essa é uma postura política de um governo que quer mostrar que não está preocupado somente em se defender, mas que tem algo a entregar. O governo fala em um “legado institucional” que permita ao próximo presidente, eleito em 2018, superar de vez a crise.

Assim, Temer volta a se assumir como governo de transição com uma agenda para pavimentar a chamada “ponte para o futuro”.