Por falta de nomes para o cargo, Temer pode adiar criação do Ministério da Segurança

  • Por Jovem Pan
  • 20/02/2018 08h01
EFEHá alguns critérios a preencher. O primeiro é não ter nenhuma investigação da Polícia Federal contra si, e isso reduz o contingente

Ainda é dúvida quem poderá preencher o cargo de ministro da Seguraça Pública após o presidente Michel Temer confirmar que a pasta será criada.

Há alguns critérios a preencher. O primeiro é não ter nenhuma investigação da Polícia Federal contra si, e isso reduz o contingente. Outro critério, e esse determinado pela intervenção, é que terá de ser um civil, já que o interventor já é um general.

Restam poucos nomes sobre a mesa do presidente. Mesmo ministros palacianos dizem que não têm esse perfil. Único que foi sondado foi ministro da Defesa, Raul Jungmann, mas que preferiu ficar onde está.

Por ser pasta nova e ter missão sensível de comandar a PF em tempos de dúvidas sobre interferências de autonomia da corporação, esse é um nome que dá trabalho.

O presidente anunciou que a criação do Ministério sai nessa semana, mas talvez se tenha um adiamento, em razão de não haver alguém para colocar nessa cadeira.

Reforma da Previdência descartada

Até o incansável Carlos Marun jogou a toalha ao admitir que não havia votos pela reforma da Previdência e que agora a ênfase será no combate à criminalidade.

O Governo admite que não tem os votos e que não tem como votar a reforma.

Votação de medidas

O Governo deve votar sistema de segurança pública e deve chegar ao Congresso um projeto do ministro Alexandre de Moraes sobre aumento de pena para tráficos de drogas e armas.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: