Vera: Após perder R$ 84 bilhões na reta final, Previdência pode encontrar mais desidratações no Plenário

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2019 08h16
Jefferson Rudy/Agência SenadoPlenário vai exigir grande articulação política para que reforma não seja ainda mais desidratada

A comissão especial da Câmara dos Deputados conseguiu aprovar, nesta quinta-feira (4), o texto-base da reforma da Previdência. Para que a vitória fosse conquistada, foi necessária uma estratégia muito fechada entre os principais líderes da Casa e do governo para barrar os destaques, coisa que deu certo – todos os pedidos da área de segurança foram descartados, por exemplo -, mas acabou deixando um escapar de última hora.

Nesse escape, o destaque dos ruralistas foi aprovado, literalmente, na última hora de sessão, baixando o número de economia prevista com a reforma de R$ 1 trilhão em dez anos para R$ 987 bilhões. A retirada da medida que tirava a exoneração agrícola para a exportação rendeu perda de R$ 84 bilhões.

Para os próximos passos, no Plenário, a exigência de uma articulação fina entre governo e líderes da Câmara será ainda maior. Isso porque cada categoria vai tentar roubar sua parte em ganho fiscal durante essa fase da tramitação. Muitos servidores esperam melhorar as situações de suas categorias por meio de emendas e destaques no texto. As forças de segurança, como policiais rodoviários e federais, vêm com tudo para conseguirem regras mais amenas. E mesmo os militares e bombeiros, que já estão incluídos no regime das Forças Armadas, devem tentar sair do texto para que sua situação seja tratada depois em projeto de lei complementar.