Vera Magalhães: Confusão em torno de edital para livros didáticos mostra desorganização do Governo

  • Por Jovem Pan
  • 10/01/2019 08h04
Marcos Santos/USP ImagensHá suspeitas de sabotagem no apagar das luzes da troca de Governo

A quarta-feira (09) foi tomada pela controvérsia em torno do edital para regras de livros didáticos pelo Ministério da Educação. Esse episódio mostra desorganização em uma área que deveria ser das mais cuidadas da administração pública.

É algo sério e que foi tratado como bagunça tremenda. O edital mudaria regras importantes como a retirada da exigência de referências bibliográficas e itens que impediam publicidade e erros de revisão e impressão, mas ninguém sabe quem é o responsável pela lambança.

A regra foi alterada durante a transição, quando nomes do Governo Bolsonaro já atuavam dentro do MEC e agora há suspeitas de sabotagem no apagar das luzes da troca de Governo.

Isso é algo que diz respeito à qualidade do ensino a crianças e adolescentes no país. Algumas das alterações feitas dizem respeito a conteúdos sensíveis e outras são apenas absurdos e aberrações, como a aceitação de erros de digitação e ortografia.

O Governo revogará esse decreto, mas disse que a responsabilidade é da gestão anterior. Por sua vez, o ex-ministro da Educação Rossieli Soares afirmou que sua pasta trabalhou de forma correta e “não pode se responsabilizar” pelos erros que foram cometidos já na gestão Bolsonaro.

Vale lembrar que esse decreto só foi revisto porque a imprensa denunciou, já que o novo Governo não revisou o texto. É bom investigar e descobrir o responsável.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: