Vera Magalhães: Enquanto Bolsonaro segue internado, articulação política engatinha no Congresso

  • Por Jovem Pan
  • 08/02/2019 07h54
DivulgaçãoJá faz quase duas semanas que o presidente realizou a cirurgia e a recuperação segue lenta – o que é normal

O presidente Jair Bolsonaro teve pneumonia e alta sem previsão. A ausência dele impacta muito. A parte política do Governo e sua família venderam, quando ele fez a cirurgia, que a recuperação seria muito rápida e que ele passaria a despachar dois dias após a intervenção. Mas isso não se efetivou.

Já faz quase duas semanas que o presidente realizou a cirurgia e a recuperação segue lenta – o que é normal. Agora, ele apresenta quadro de pneumonia, que também é decorrente do período de internação.

Isso se impacta porque ficou decidido que o vice assumiria a Presidência por apenas um ou dois dias. Todo o fluxo de trabalho que Jair Bolsonaro teria, segundo sua equipe, não pôde ser efetivado em razão de intercorrências da saúde.

Mesmo a data de entrega do projeto de reforma da Previdência ao Congresso foi adiada por conta da internação do presidente.

Isso tudo se deve muito a uma desconfiança entre o time mais próximo do presidente e o vice Mourão. Mas isso leva a uma paralisia de diversos setores do Governo.

Votação da reforma

O líder do Governo na Câmara, Major Vitor Hugo (PSL), ainda patina na articulação para aprovar o projeto de reforma da Previdência.

Congressistas dizem que ele não possui traquejo para conduzir a articulação e passa a ser boicotado, inclusive, por nomes de seu partido.

Há um Governo novo e a articulação política é brecada por essas circunstâncias.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: