Vera Magalhães: No primeiro dia em Brasília, Bolsonaro tenta contornar polêmicas

  • Por Jovem Pan
  • 07/11/2018 07h55
Will Shutter/Câmara dos DeputadosO que falta esclarecer, entretanto, é a economia, lembra Vera Magalhães

O presidente eleito Jair Bolsonaro parecia muito leve em seu primeiro dia em Brasília. Tirando o momento em que ele se irritou com uma pergunta sobre o Egito, ele parecia muito à vontade com a vitória e se assenhorando de sua nova posição. Ocupou a Mesa Diretora da Câmara, e procurou adotar tom leve e contemporizador durantes suas manifestações.

Em seu discurso na sessão solene dos 30 anos da Constituição, ele disse que a Carta Magna é o norte da democracia. Mas não foi tão simpático com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

Nas declarações que deu, Bolsonaro procurou desarmar a polêmica em relação à mudança da embaixada brasileira em Tel Aviv. Agora ele deu passos atrás e disse que nada está definido ainda e, portanto, não seria razão para retaliação do Egito.

Em relação à composição de Governo, ele indicou que o general Augusto Heleno deve ir para o GSI e ficar no Palácio do Planalto. É alguém sair do oriundo das Forças Armadas e ir diretamente para a assessoria do futuro presidente.

O que falta esclarecer, entretanto, é a economia. Paulo Guedes, que também esteve em Brasília, aproveitou para desmentir o que Bolsonaro disse na véspera sobre renegociação da dívida. Falar em renegociação da dívida, aos ouvidos de mercado e investidores soa como calote, e isso não é o que o futuro ministro da Fazenda quer.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: