Vera Magalhães: Tirar petistas e colocar gente fanática radical do outro lado não resolve problemas

  • Por Jovem Pan
  • 10/01/2019 08h07
Divulgação/ApexO presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Alecxandro Pinho Carreiro, pediu demissão

Diversos temas voltam a dividir alas do Governo de Jair Bolsonaro. Entre elas a reforma da Previdência e sua primeira baixa.

Nesta quarta-feira (09), o ministro Onyx Lorenzoni reconheceu as “cabeçadas” de início de Governo e atribuiu a uma ansiedade normal, mas quando elas começam a se disseminar viram um incêndio com vários focos que você deve apagar todos os dias.

Um caso foi a primeira baixa do Governo, já na primeira semana. O presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), Alecxandro Pinho Carreiro, pediu demissão. Ele não tinha inglês fluente e nem experiência no setor público na área de comércio exterior, mas foi colocado no cargo por conta de uma ansiedade.

Alex promoveu uma caça às bruxas seguindo critérios de que seriam petistas. Nesta lista estavam vários diplomatas de carreira que estavam designados à Apex e foram sumariamente demitidos.

A “despetização” da Apex, por exemplo, demitiu funcionários de carreira ao exercer política com viés ideológico. Essa foi demonstração de que tirar petistas e colocar gente fanática radical do outro lado não vai resolver os problemas do País.

Na questão da Previdência, diante da determinação de se incluir os militares, a bancada da farda defende a exclusão do grupo da reforma. E isso divide o Governo mais uma vez.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: