Vera: Pela reforma, Executivo e Legislativo devem chegar a um denominador comum

  • Por Jovem Pan
  • 20/05/2019 08h28
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoDeu para perceber que os ânimos no Congresso estão bastante exaltados e o clima de desconfiança é recíproco

A semana passada foi marcada por desacertos entre Governo e o Congresso. O presidente Jair Bolsonaro postou texto sobre o país ser ingovernável e isso repercute na política e na sociedade.

Deu para perceber que os ânimos no Congresso estão bastante exaltados e o clima de desconfiança é recíproco e está sendo aumentada com a convocação de manifestação no domingo (26), em defesa do Governo e contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal.

O ato também tenta medir forças com o realizado na semana passada pela educação e contra o Governo. É perigoso.

São cinco meses de um Governo eleito com plena capacidade de impor agenda, mas não está conseguindo formar maioria. Basta ver que uma das brigas do fim de semana se deu entre deputadas do PSL, no Twitter. Não dá para atribuir ao Centrão todas as agruras que o Governo enfrenta na Câmara, porque grande parte delas parte de sua própria base e conflitos internos.

Presidencialismo sem presidente

Esta ideia é outro devaneio. Em regime como o brasileiro não dá para se imaginar em suprimir o presidente.

Se quiserem suprimir poderes do presidente deve ser feita alguma emenda constitucional, mas não é recomendável se discutir isso agora. O recomendável é que cada um se assegure de seu papel constitucional.

Confira o comentário completo de Vera Magalhães: