O polêmico Ciro Gomes no Jornal da Manhã

  • Por Jovem Pan
  • 18/06/2018 20h37
Bruno Lima/Jovem PanCiro fez jus à fama de polêmico: afirmou que Dilma Rousseff fez um péssimo governo e que tem certeza que Michel Temer é corrupto

A Jovem Pan deu sequência nesta segunda-feira (18) à sua série especial de entrevistas com os principais pré-candidatos à presidência da República.

O Jornal da Manhã recebeu em seus estúdios o ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes, que vai concorrer pelo PDT. E Ciro fez jus à fama de polêmico.

Afirmou, por exemplo, que Dilma Rousseff fez um péssimo governo. Disse ainda ter certeza que Michel Temer é corrupto. A prova, segundo ele, é um documento a que teve acesso e que está no inquérito sobre o Decreto dos Portos.

Na economia, Ciro destacou que as únicas alternativas para o ajuste fiscal são: diminuir despesas e aumentar receita. Segundo ele, 50 por cento do orçamento da União é comprometido com juros e arrolagem de dívidas.

A primeira pergunta da entrevista foi sobre uma eventual aliança com o DEM. O pré-candidato disse ter ficado surpreso com o movimento da legenda e declarou estar aberto a conversas.

Questionado mais para frente sobre as diferenças históricas e atuais com o Democratas, Ciro perdeu a mão ao falar do vereador Fernando Holiday. Chegou a chamá-lo de “capitãozinho do mato”.

O vereador por São Paulo reagiu nas redes sociais e declarou que irá processar Ciro por injúria racial. Chamou ainda o pré-candidato de racista e disse que ele passou de todos os limites.

No 3 em 1 desta segunda-feira, 18, Patrick Santos mediou um debate entre Vera Magalhães, Carlos Andreazza e Marcelo Madureira.

Vera criticou o comportamento de Ciro durante a entrevista. Segundo ela, o pedetista deveria discutir ideias e não ir na canela das pessoas. Madureira também não gostou da forma do discurso do pré-candidato. Na avaliação do Madu, ele deveria saber ouvir as opiniões diferentes das dele. Já Andreazza ficou revoltado com a declaração sobre Fernando Holiday. O nosso comentarista cobrou o DEM e os movimentos raciais a se manifestarem sobre o caso.