Palocci fala em “pacto de sangue” entre Lula e Emílio Odebrecht: é o fim do petista?

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2017 19h20
BRA50. SAO PAULO (BRASIL), 15/09/2016 - El expresidente de Brasil Luiz Inácio Lula da Silva hace un pronunciamiento hoy, jueves 15 de septiembre de 2016, en Sao Paulo (Brasil). Luiz Inácio Lula da Silva rechazó hoy las acusaciones de corrupción y lavado de dinero de la Fiscalía y, en un irónico y largo pronunciamiento, dijo que si le prueban algún delito irá caminando hasta la comisaría para su detención. "Prueben e iré caminando para ser detenido en Curitiba", afirmó el ex jefe de Estado al citar la ciudad desde donde la Fiscalía lidera todas las investigaciones sobre el gigantesco escándalo de corrupción en la petrolera Petrobras. EFE/Sebastião MoreiraEm reação, o ex-presidente Lula divulgou nota afirmando que Palocci não tem compromisso em dizer a verdade

Depoimento do ex-ministro Antonio Palocci ao juiz Sérgio Moro caiu como uma bomba no PT. Ao quebrar o silêncio, Palocci falou em “pacto de sangue” entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Emílio Odebrecht, que teria oferecido um “pacote de propinas” envolvendo o terreno da nova sede do Instituto Lula, o sítio em Atibaia e uma conta corrente com R$ 300 milhões à disposição do PT.

Em reação, o ex-presidente Lula divulgou nota afirmando que Palocci não tem compromisso em dizer a verdade. Já a ex-presidente Dilma Rousseff destacou que o ex-ministro está traçando uma estratégia para conseguir fechar um acordo de delação premiada.

No 3 em 1 desta quinta-feira, 7, Patrick Santos mediou debate entre Vera Magalhães, Carlos Andreazza e Marcelo Madureira, que discutiram a situação de Lula depois das acusações de Palocci.

Vera diz que Palocci usou uma retórica inflamada, diferentemente do que fazia quando era membro dos governos petistas. Para ela, o ex-ministro busca uma delação premiada.

Andreazza destacou que o depoimento de Palocci trata-se de uma confissão clássica, algo que foi esquecido no Brasil diante de tantas delações premiadas.

Madureira afirmou que o ex-ministro jogou uma bomba no PT. Para ele, Palocci percebeu que os companheiros o deixariam sozinho.

Confira o debate completo no 3 em 1: