Acusado de esconder R$ 51 mi em bunker, Geddel tem série de escândalos em trajetória política

  • Por Jovem Pan
  • 07/09/2017 08h36
Se na vida pessoal Geddel nunca conseguiu reverter certas antipatias, na política, ele demonstrou habilidade para rever seus conceitos

Antes de mesmo de ser político conhecido Geddel Vieira Lima já tinha fama na escola. Apelidado de “suíno” entre os colegas, ele tinha a antipatia especial de um deles: o líder da banda Legião Urbana, Renato Russo.

Se na vida pessoal Geddel nunca conseguiu reverter certas antipatias, na política, ele demonstrou habilidade para rever seus conceitos.

Depois de críticas ferrenhas ao primeiro Governo Lula, virou ministro da Integração Nacional do petista entre os anos de 2007 e 2010, encampando a transposição do Rio São Francisco. Quando Dilma Rousseff assumiu a presidência, ele foi nomeado vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa e por lá ficou entre 2011 e 2013. Pediu demissão do cargo, pelo Twitter.

Em 2015, o peemedebista ficou indignado, como todo brasileiro, e foi às ruas dizer “Chega!”.

Entre os escândalos de sua trajetória Geddel Vieira Lima conseguiu passar pelos “anões” do orçamento, um escândalo em que os congressistas foram acusados de manipular emendas com a ajuda de empreiteiras para desviar verbas. E teve que deixar a secretaria de Governo de Michel Temer no ano passado, quando o ministro da Cultura o acusou de ter feito pressão para conceder a licença de construção de um prédio de luxo localizado em um bairro nobre de Salvador, que havia sido barrado pelo IPHAN.

Detido em um desdobramento da Operação Lava Jato, ele é suspeito de ter tentado obstruir a delação do operador Lúcio Funaro.

Durante um depoimento à justiça, após sua prisão ele se disse surpreso com a acusação: “tudo isso para mim é uma surpresa. Coopero com a Justiça, sempre cooperei. Tudo que eu fiz ou deixei de fazer foi sob orientação dos meus advogados”

Menos de dois meses depois, a Polícia Federal encontrou um apartamento em Salvador que seria usado como bunker pelo ex-ministro para guardar R$ 51 milhões.

Apontado como dono do imóvel, o empresário Silvio Silveira se apresentou à polícia na quarta-feira e admitiu ter emprestado apartamento a Geddel. O empresário alegou, no entanto, que o político pediu o imóvel com a desculpa de que guardaria pertences do pai que havia falecido.

*Informações da repórter Helen Braun