Alckmin diz que teto de gastos “não é razoável” e pode prejudicar investimentos

  • Por Jovem Pan
  • 24/05/2018 07h11
Estadão conteúdoA medida foi aprovada pelo Congresso em 2016. Em um evento com prefeitos e vereadores em Brasília, ele disse que a medida não é razoável. Para o ex-governador de São Paulo, o limite não foi concebido corretamente e não foi cumprido adequadamente.

O pré-candidato a Presidente da República pelo PSDB Geraldo Alckmin criticou o teto de gastos, que limita o aumento dos gastos públicos ao equivalente à inflação.

A medida foi aprovada pelo Congresso em 2016. Em um evento com prefeitos e vereadores em Brasília, ele disse que a medida não é razoável. Para o ex-governador de São Paulo, o limite não foi concebido corretamente e não foi cumprido adequadamente.

O presidenciável acredita que ele pode esmagar o investimento e o custeio. Alckmin ponderou que o objetivo do teto está correto, mas disse que algumas decisões do governo contradizem a matéria. Citou como exemplos aumentos de salários para servidores que passam dos dez por cento, índice bem acima da inflação, e foram concebidos de forma escalonada, antes da apresentação da PEC. Para ele, grandes gastos com o pessoal prejudicam o orçamento do governo.

Na palestra que deu a prefeitos e vereadores, Alckmin prometeu aumentar a verba para os municípios investirem em saneamento básico usando recursos de tributos como o Pasep e o Cofins.

Também disse que, se eleito, vai enviar em fevereiro do ano que vem as reformas política, tributária, do Estado e da Previdência ao Congresso.