Amigos de Temer viram réus em ação que investiga o “quadrilhão do MDB”

  • Por Jovem Pan
  • 10/04/2018 06h38
Reprodução/TV GloboYunes e o coronel Lima (foto), foram acusados de integrarem organização criminosa ligada ao MDB, por exercerem o papel de intermediários em repasses de propina

O juiz Marcos Vinícius Bastos, da 12ª Vara da Justiça Federal, aqui de Brasília, aceitou denúncia de organização criminosa contra nove pessoas, entre elas integrantes do MDB e dois amigos do presidente Michel Temer, o coronel João Baptista de Lima Filho e o advogado José Yunes alvos da operação Skala da Polícia Federal.

Todos vão responder à ação penal e os acusados, com isso, passam agora à condição de réus.

A denúncia faz parte da investigação do chamado “quadrilhão do MDB” apresentada pela Procuradoria-Geral da República no ano passado.

Yunes e o coronel Lima, foram acusados de integrarem organização criminosa ligada ao MDB, por exercerem o papel de intermediários em repasses de propina. A pena para o crime é de 3 a 8 anos de prisão.

Na acusação são acusados ainda Lúcio Funaro, apontado como operador financeiro do PMDB, e os ex-deputados Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima e Rodrigo Rocha Loures, todos ligados a Temer.

O temor agora do Governo é de que esse novo braço da operação da Polícia Federal pode servir como justificativa para apresentação de uma terceira denúncia contra o presidente Michel Temer, uma vez que a delação da JBS aponta possíveis irregularidades envolvendo o Porto de Santos.

*Informações da repórter Luciana Verdolin