Apenas 4% das empresas estão prontas para atender novas regras do eSocial

  • Por Jovem Pan
  • 15/08/2016 06h50
Brasília - Recolhimento de impostos na contratação dos empregados domésticos pelo eSocial começou em novembro de 2015. Patrões reclamaram da emissão das guias, devido a problemas no site (Marcelo Camargo/Agência Brasil)eSocial - AGBR

O prazo para que empresas se adequem ao eSocial está no fim, mas apenas 4% das corporações estão prontas para atender às novas regras.

Segundo o cronograma do Governo, a mudança vale a partir de setembro para todas as organizações que tiveram faturamento superior a R$ 78 milhões em 2014.

Contudo, uma pesquisa do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis de São Paulo aponta que diversos gargalos estão empacando o processo, bem mais complexo que o dos empregados domésticos.

O presidente da entidade, Márcio Massao Shimomoto explicou que um dos entraves é a falta de implantação de um período de testes: “o entes responsáveis pelo eSocial não cumpriram a parte deles, disponibilizando ambiente de testes, para que empresas possam testar”.

Para a sócia-diretora da Attend Consultoria, Dilma Rodrigues, o razoável seria que a exigência fosse adiada por mais um ano.

A contadora, no entanto, vê com bons olhos a mudança que altera a forma de preenchimento e entrega de formulários e declarações, já que obrigará um rigor maior sobre os direitos do trabalhador: “nós acreditamos que um prazo razoável seria em torno de, no mínimo, mais um ano. Porque existem muitas frentes envolvidas no eSocial para a parte de empresas”.

Procurada, a Receita Federal disse, em nota, que o atual cronograma do eSocial está sendo reavaliado em conjunto com as confederações e com a sociedade em geral.

O texto afirma ainda que um novo cronograma poderá ser publicado em breve pelo Comitê Diretivo do eSocial.

*Informações da repórter Carolina Ercolin