Canabidiol: Mãe de menina com autismo obtém autorização judicial para cultivo de maconha

  • Por Jovem Pan
  • 26/02/2019 08h34
Reprodução/Alexandre RezendeCom muito esforço e persistência, Angela obteve autorização judicial para o cultivo de maconha e produção do óleo de extrato de canabidiol para tratar a filha

Em Campinas, interior de São Paulo, vive Angela, fisioterapeuta de 39 anos e a filha de seis anos.

Aos dois anos de idade, a criança, cuja mãe prefere não se identificar, foi diagnosticada com autismo. Ela apresentava vários problemas de desenvolvimento na fala e para interagir socialmente, além de três a quatro crises por dia.

Com muito esforço e persistência, Angela obteve autorização judicial para o cultivo de maconha e produção do óleo de extrato de canabidiol para tratar a filha. Segundo ela, isso mudou a vida da família.

Mas a caminhada foi longa para conseguir a autorização para plantar a maconha para uso medicinal. O salvo-conduto foi dado por um ano, atendendo ao habeas corpus da Defensoria Pública de São Paulo, como explicou a mãe.

Angela conta que quando a polícia apareceu, ela achou que fosse por conta do processo e não por uma denúncia.

Em agosto de 2017, Angela pediu ajuda jurídica da Defensoria Pública de São Paulo para obter autorização judicial e, assim, regularizar a situação.

A defensora pública Daniela Skromov, do Núcleo de Direitos da Pessoa com Deficiência, disse que há um debate para decidir se vai ser permitido o cultivo caseiro ou se será exclusivo das farmacêuticas.

Desde 2016, foram registradas quase cinco mil autorizações para a importação do medicamento, que acarretou a entrada de quase 80 mil produtos no país, prescritos por cerca de 800 médicos.

*Informações do repórter Victor Moraes