Caso barragem rompa, primeira casa de Barão de Cocais seria atingida em 1 hora

Tanto o talude, quanto a barragem, estão sendo monitorados 24 horas por dia

  • Por Jovem Pan
  • 25/05/2019 08h13
RAMON BITENCOURT/O TEMPO/ESTADÃO CONTEÚDOO prazo final dado pela mineradora Vale para possível rompimento do Talude seria neste sábado (25)

A primeira casa em Barão de Cocais seria atingida após 1 hora e 12 minutos de um possível rompimento da Barragem Sul Superior, na Mina de Gongo Soco. A projeção está em novo estudo de impactos reais do vazamento de 100% dos rejeitos da barragem, o chamado dam break, feito pela mineradora Vale.

A Defesa Civil de Minas Gerais teve acesso ao documento e assegura que o trabalho de prevenção feito até aqui é suficiente e já considerava este cenário. Em nenhum caso de rompimento de barragem, tanto em Mariana, como em Brumadinho, a totalidade de rejeitos extravasou.

A movimentação do talude da Mina de Gongo Soco aumentou para um deslocamento médio de 12 centímetros, segundo a Defesa Civil. Apesar dos riscos, o porta-voz do órgão, tenente-coronel Flávio Godinho, tentou tranquilizar a população de Barão de Cocais.

Bancos e Correios na cidade chegaram a ficar fechados pelo medo da tragédia.

O prazo final dado pela mineradora Vale para possível rompimento do Talude seria neste sábado (25). No entanto, a Defesa Civil lembra que a queda não é uma certeza. Mesmo com a probabilidade do rompimento do talude atingir a barragem, o órgão acredita que após a estrutura ceder, a lama cairá na cava de mineração e se integrar ao meio ambiente.

Tanto o talude, quanto a barragem, estão sendo monitorados 24 horas por dia.

*Informações da repórter Victoria Abel