Com apoio de profissionais e voluntários, alunos voltam à escola em Suzano após massacre

  • Por Jovem Pan
  • 20/03/2019 08h58
Werther Santana/Estadão ConteúdoPara tentar ajudar em situações como essa, profissionais e voluntários estarão na escola nesta semana

Aos poucos, pais e alunos foram chegando na Escola Raul Brasil em Suzano na manhã desta terça-feira (19). Foi o primeiro dia desde o ataque que terminou com dez mortos em que os portões foram abertos para os estudantes.

Alguns deles ainda sentiam o impacto da tragédia da última quarta-feira (13), como o adolescente Mateus de Paiva, de 16 anos, que chorava bastante. A mãe dele, a dona de casa Liliane Maria de Paiva, contou que a família tem encontrado dificuldades para retomar a rotina.

Para tentar ajudar em situações como essa, profissionais e voluntários estarão na escola nesta semana. O psicólogo da Secretaria Estadual da Justiça, Bruno Fedri, disse que o trabalho deve evocar as vítimas de maneira positiva.

Às dez da manhã, os portões foram efetivamente abertos. Seis dias depois da tragédia, os alunos voltaram para a escola, mas não para as aulas; ainda não há data para o retorno do calendário letivo. A ideia é promover o acolhimento para toda a comunidade ao longo dos próximos dias.

É com esse espírito de união que o estudante Lucas Levino Garcia, de 16 anos, voltou ao Raul Brasil.

O ataque à Escola Estadual Raul Brasil aconteceu na quarta-feira passada durante o intervalo do período da manhã. Seis estudantes e duas funcionárias foram mortos pelos assassinos, um adulto e adolescente, que se mataram pouco depois.

*Informações do repórter Tiago Muniz