Com sentimento de ‘desgosto de filha’, Ciro Gomes diz que Tabata Amaral deveria deixar o PDT

  • Por Jovem Pan
  • 12/07/2019 06h50
Luis Macedo/Agência CâmaraA deputada Tabata Amaral foi uma das oito pessoas do PDT que contrariaram a sigla e votaram a favor da reforma

O pedetista Ciro Gomes disse nesta quinta-feira (11) que a deputada Tabata Amaral cometeu um “erro indesculpável” por ter votado a favor da reforma da Previdência e deveria deixar o PDT.

A parlamentar de primeiro mandato contrariou a orientação do partido e, por isso, líderes do PDT anunciaram a intenção de expulsá-la da sigla.

Em evento na Câmara de Vereadores de Porto Alegre, Ciro Gomes afirmou que a posição de Tabata Amaral “não pode passar impune”.

Considerado padrinho político de Tabata, o ex-candidato à Presidência da República disse que está experimentando um sentimento de “desgosto de filha” e isso não é “bom conselheiro” para providências que podem ser tomadas.

A bancada do PDT na Câmara tem 27 parlamentares e, além de Tabata Amaral, outros sete deputados da sigla votaram a favor da proposta de reforma da Previdência na última quarta-feira (10).

O presidente do partido, Carlos Lupi, confirmou que será aberto um processo disciplinar na Comissão de Ética do PDT, que pode durar até dois meses. De acordo com ele, os deputados terão direito à ampla defesa.

PSL ‘de braços abertos’

Pelas redes sociais, o deputado Alexandre Frota (PSL), da legenda do presidente Jair Bolsonaro, disse que a sigla está de braços abertos para ela e que partidos não vão faltar.

Segundo o jornal O Estado de São Paulo, ao longo da quinta-feira líderes do PDT já não falavam em expulsar os dissidentes, e, sim, em aplicar penas alternativas.

Desde a ameaça de expulsão, Tabata Amaral não se pronunciou e tem evitado falar com a imprensa.

*Com informações do repórter Afonso Marangoni