Covas busca reduzir fluxo na Cracolândia e de moradores de rua: ‘Trabalho de formiguinha’

Bruno Covas concedeu entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2019 09h19
Guilherme Rodrigues/Estadão Conteúdo

Assunto antigo na cidade de São Paulo, a Cracolândia se une ao problema dos moradores de rua e faz a Prefeitura se movimentar para melhorar ambas as situações na capital.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o prefeito Bruno Covas (PSDB) reconheceu que, além da “Cracolândia mãe”, existem mini-Cracolândias na cidade em pontos como a Ceagesp, Roberto Marinho, Radial Leste e outros pontos da cidade. “Não é fácil juntar o problema da Cracolândia, que é questão de saúde, com a segurança pública e precisar enfrentar usuários. E o morador de rua que é problema de assistência social”, disse.

O tucano anunciou que a Prefeitura criar vagas em repúblicas para conseguir tirar mais pessoas da situação de rua e, assim, ofertar um serviço de qualidade àqueles que precisam. Covas admitiu que o governo municipal tem de ofertar algo melhor que as pessoas que moram nas ruas passam diariamente: “a Prefeitura não pode obrigá-los a sair da rua. Como vai tirar o cobertor da pessoa e convencer a ir a um albergue? É desumano. É trabalho de formiguinha para convencê-los a sair dali”.

O prefeito explicou que o fluxo de pessoas na Cracolândia localizada no centro da cidade diminuiu e que deverá ser sancionada lei municipal de combate ao álcool e drogas. “Tivemos reunião entre a Prefeitura e governo do Estado para ampliar as ações. Devemos apresentar uma segunda etapa do programa Redenção para atingir uma das metas que é reduzir em 80% o número de pessoas no fluxo”, afirmou.

Sobre as ações na Cracolândia realizadas nesta quinta-feira (09), o tucano ressaltou que foi ação da Polícia Civil contra traficantes e drogas e “as reações mostram que estamos permanentemente naquele espaço”.

Ainda a respeito sobre os moradores de rua, Covas anunciou que será realizado em Censo neste ano para avaliar quantas são as pessoas nestas condições e suas características: “é preciso diversificar a estratégia”.

Confira a entrevista completa com o prefeito de São Paulo, Bruno Covas: