“Desafios da Segurança Pública”: Pré-candidatos à Presidência usam o tema em busca de votos

  • Por Jovem Pan
  • 13/03/2018 11h06
Nelson Jr./ ASICS/TSEO fato é que quem não abordar o assunto, certamente perderá votos, segundo especialistas

Dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostram que, em 2016, foram registradas 61.283 mortes violentas intencionais no País.

A proporção de guerra é tão clara que esse número equivale a destruição de uma bomba atômica ao ano.

Cidades como o Rio de Janeiro vivem dias de caos e até mesmo uma intervenção federal para ajustar a segurança daquele Estado foi necessária.

Correndo por fora, a sociedade tenta se blindar com dispositivos e tecnologia para aumentar a sensação de segurança e proteger seu patrimônio.

Sim, a Segurança Pública passa a ser agenda obrigatória entre os pré-candidatos a Presidência da República. E já é possível identificar, entre alguns deles, opiniões divididas nas redes sociais.

Ciro Gomes, do PDT, não aprova a intervenção no Rio, por exemplo, mas confia no trabalho do General Braga Netto.

Geraldo Alckmin, pré-candidato tucano, diz que vigiar as fronteiras é essencial para aumentar a segurança.

João Amoêdo, do Novo, prega o bom senso no assunto frente as falas de seus concorrentes.

Para Marina Silva, da Rede, os políticos estão usando o tema e esquecendo das responsabilidades que tiveram para a atual situação.

Jair Bolsonaro, do PSL, abomina a criação de novos ministérios, mas diz que o recém-criado Ministério da Segurança só andará com um militar de alta patente no comando.

As Forças Armadas também foram elogiadas e tratadas como prioridade por Alvaro Dias, do Podemos.

Já Guilherme Boulos, novo integrante do PSOL, mostra preocupação com os militares em ação no Rio.

O fato é que quem não abordar o assunto, certamente perderá votos, segundo especialistas.

Para Rafael Alcadipani, professor da Fundação Getúlio Vargas, a questão é urgente e deve ser mais aprofundada.

Resta menos de sete meses para as eleições e, nesse tempo, ainda será possível analisar a mensagem de cada candidato para um dos temas mais complexos da atual sociedade brasileira.

Confira a reportagem completa de Fernando Martins: