Em casos de extinção, iniciativa privada absorverá parte dos serviços das estatais paulistas

A afirmação foi dada pelo governador em exercício, Rodrigo Garcia

  • Por Jovem Pan
  • 15/05/2019 08h12
Divulgação/DEMA possibilidade levantada até então era apenas da transferência das atividades para algumas secretarias do Estado

O governador em exercício de São Paulo, Rodrigo Garcia, afirmou nesta terça-feira (14) que parte dos serviços hoje executados pelas estatais paulistas serão repassados para a iniciativa privada, em caso de extinção das empresas.

A possibilidade levantada até então era apenas da transferência das atividades para algumas secretarias do Estado. O projeto de extinção ou incorporação das empresas do Estado tramita na Assembleia Legislativa e pode ser votado nos próximos dias.

Segundo Garcia, os recursos economizados com a extinção das empresas públicas serão revertidos para investimentos. O governador em exercício esclareceu que as contratações de empresas privadas serão feitas por meio de licitações abertas por secretarias.

Funcionários das empresas com possibilidade de extinção, no entanto, temem o aumento de custos com a transferência de algumas atividades para a iniciativa privada.

Técnicos da Companhia Paulista de Obras e Serviços, a CPOS, apresentaram à Assembleia Legislativa do Estado um levantamento comparativo de preços de serviços de fiscalização de obras.

Segundo eles, a fiscalização de uma obra viária, por exemplo, pode custar até R$ 235 milhões na iniciativa privada. De acordo com o levantamento, o mesmo serviço custaria cerca de R$ 185 milhões se feito com a CPOS.

*Informações da repórter Victoria Abel