“Energia eólica já é competitiva”, diz especialista

  • Por Jovem Pan
  • 08/02/2016 12h07
Energia Eólica

 Na contramão da crise, a cadeia da energia eólica cresceu 32% em 2015 e as perspectivas são boas para este ano. O número é da Abeeólica, a entidade do setor que comemora também os financiamentos concedidos para novos complexos. O BNDES aprovou R$1,4 bilhão em financiamentos na semana anterior ao Carnaval.

Falando a Thiago Muniz, a presidente da Abeeólica, Élbia Silva Gannoum, detalha as expectativas para 2016: “Para o ano de 2016 nossa expectativa é que a nossa capacidade instalada seja ainda maior, vamos ter 165 parques instalados, vamos investir mais de R$ 25 bilhões e vamos gerar mais de 50 mil postos de trabalho ao longo da cadeia produtiva”. Atualmente a fonte eólica é responsável por 6% da matriz energética do Brasil, com possibilidade de dobrar a participação em até cinco anos.

O presidente da Empresa de Pesquisa Energética, Maurício Tolmasquin, diz ao repórter Thiago Uberreich, diz que esse tipo de energia já é uma realidade: “A energia eólica já é competitiva. Não tenho dúvida de que vai acontecer com a solar o mesmo processo virtuoso que aconteceu com a eólica. Quando a eólica começou a ser instalada aqui no Brasil, ela também era bem cara, mas houve uma queda grande do preço”.

O empréstimo autorizado pelo BNDES vai financiar três complexos que serão instalados em Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Sul. Com isso, está prevista a geração de 1.600 empregos diretos e 3.500 indiretos na fase de implantação.