General Heleno defende decreto para flexibilizar posse de armas

  • Por Jovem Pan
  • 31/12/2018 09h15
Fabio Rodrigues Pozzebom - Agência BrasilO general da reserva Augusto Heleno, indicado para ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional

O General Augusto Heleno, futuro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), defendeu em Brasília o decreto anunciado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) que pretende facilitar a posse de armas no País. Ele nega que isso vá aumentar o número de mortes violentas. Como exemplo, citou que o trânsito também mata – e nem por isso os carros deveriam ser “proibidos”.

“Muita gente argumenta que as mortes vão aumentar. Isso aí, os dados são polêmicos. Se formos considerar o números de vítimas, não vou dizer aqui, mas vocês vão ver que está em torno de 50 mil o número de vítimas de acidentes de trânsito. Se considerarmos isso, vamos proibir o pessoal de dirigir. Ninguém mais sai de casa de carro. Estão correndo risco de morrer”, explicou.

Heleno disse também que não teve acesso ao texto, mas ressaltou que o próprio Bolsonaro já disse que a medida ainda será aperfeiçoada pelo Congresso.