Governo de Theresa May sofre baixas após divulgação de acordo do Brexit

  • Por Jovem Pan
  • 16/11/2018 06h44
Will Oliver/EFEA votação sobre o projeto no Parlamento britânico acontece em dezembro, depois do acordo ser formalizado com a União Europeia

A premiê Theresa May defendeu no Parlamento britânico o acordo preliminar do Brexit, o movimento de saída do Reino Unido da União Europeia.

Um rascunho do texto foi fechado nesta semana, em Bruxelas, por negociadores. No entanto, parte da ala conservadora, incluindo integrantes do próprio partido da primeira-ministra britânica, não gostou das concessões feitas no acordo.

Além disso, a saída de integrantes do governo fragilizou ainda mais as negociações. May sofreu um forte revés com as demissões do ministro do Brexit, Dominic Raab, da ministra de Trabalho e Pensões, Esther McVey, e de dois secretários de seu gabinete, por discordâncias com o projeto.

Em meio a manifestações e risadas do Parlamento, a primeira-ministra lembrou que o acordo não é o texto final, e sim um projeto que pretender deixar: “o que nós concluímos ontem não foi o acordo final. É um projeto de tratado que significa que deixaremos a União Europeia de uma forma suave e ordeira em 29 de março de 2019. E que estabelece a estrutura para um relacionamento futuro que atenda ao nosso interesse nacional”.

A premiê disse ainda respeitar a decisão dos ministros que renunciaram, mas destacou que o processo de separação exige escolhas difíceis. E advertiu que o voto pode implicar na não concretização do Brexit. May disse que votar contra o acordo levaria o Reino Unido de volta à estaca zero.

Para Marcus Vinicius de Freitas, professor visitante da China Foreign Affair University, a premiê britânica sai enfraquecida.

O afastamento do bloco europeu, que ficou conhecido como Brexit, foi aprovado após um plebiscito em junho de 2016. O Conselho Europeu realiza uma reunião extraordinária para validar o texto em 25 de novembro.

A votação sobre o projeto no Parlamento britânico acontece em dezembro, depois do acordo ser formalizado com a União Europeia.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto