Insatisfeito, Ferraço nega saída do PSDB, mas cogita deixar Senado para “ficar mais perto do ES”

  • Por Jovem Pan
  • 31/10/2017 09h10
Marcelo Camargo/Agência BrasilFerraço admitiu ainda que o partido teve a oportunidade de fazer diferente na votação sobre o caso Aécio, mas não o fez, mas que há animação para que a trajetória original do PSDB seja reconstruída

Inconformado com a posição de integrantes de seu partido protegerem o mandato do tucano Aécio Neves, o senador Ricardo Ferraço chegou a anunciar que irá deixar o cargo no Senado. Sem deixar claro se já o fez, o senador do Espírito Santo negou uma saída do PSDB, e ressaltou: “o que cogitei foi a saída do mandato, que está mantida”.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o senador questionou sobre o que há de “mandato produtivo” neste ano: “novembro com quatro semanas, essa semana bastante reduzida, e o que estamos percebendo é o Congresso paralisado. Teremos feriado e o Senado entre em recesso no dia 15 de dezembro. Daqui até lá teremos poucas sessões e pouco tempo para produzir. Estou optando por ficar mais perto dos capixabas e do Espírito Santo”.

Ferraço admitiu ainda que o partido teve a oportunidade de fazer diferente na votação sobre o caso Aécio, mas não o fez, mas que há animação para que a trajetória original do PSDB seja reconstruída.

“Na prática nós somos uma tentativa de trajetória de reencontro do nosso partido sob a presidência de Tasso Jereissati, inclusive nós fizemos um programa em que esboçamos discussão aberta em torno de fazermos mea culpa e reconhecermos erros e reconhecermos que nos distanciamos do que está na origem de formação do PSDB, longe das benesses do poder e perto das ruas”, disse.

Para Ricardo Ferraço, Tasso Jereissati é quem deve ser o candidato à presidência da sigla: “tenho fé que ele nos coloque em outra trajetória”. Entretanto, há indicações por parte de tucanos que Marconi Perillo será o novo presidente da legenda, mas Ferraço ainda assim acredita na vitória de Tasso.

Outro ponto discutido dentro do partido é a disputa para a candidatura à Presidência da República. Os nomes cogitados são os de João Doria, atual prefeito de São Paulo, e Geraldo Alckmin, governador.

Sem hesitar, Ferraço foi enfático: “candidato natural do PSDB é Geraldo Alckmin, porque considero que, neste momento, seria importante que Doria pudesse continuar como prefeito. Ele foi eleito pelos paulistas [sic] para dirigir a cidade, e Alckmin está concluindo seu mandato, é experiente, provado, testado. Considero que o candidato natural do PSDB é o governador Geraldo Alckmin”.

Confira a entrevista completa: