Médicos paulistas lançam manifesto sobre aumento de mortes decorrentes da poluição do ar

  • Por Jovem Pan
  • 25/10/2018 07h18
Agência BrasilSe os níveis de poluição seguirem como estão, 18 pessoas morrerão por dia na Região Metropolitana de São Paulo até 2025

Médicos paulistas chamam atenção para um risco iminente: o aumento do número de mortes decorrentes da poluição do ar.

A Associação Paulista de Medicina, nesta quarta-feira (24), lançou estudo sobre o assunto apontando que se os níveis de poluição seguirem como estão, 18 pessoas morrerão por dia na Região Metropolitana de São Paulo até 2025. Isso representa 51 mil mortes diretamente ligadas por problemas à poluição do ar.

O número é maior que mortes por acidentes de trânsito ou câncer de mama, como explicou Evangelina Vormitagg, diretora de responsabilidade social da APM.

Além disso, a pesquisa mostra que 11 pessoas, todos os dias até 2025, passarão por hospitais com doenças respiratórias, cardiovasculares e câncer de pulmão, ao custo de quase R$ 59 milhões para o SUS.

Falando em termos financeiros, somente a perda de produtividade trará impacto de R$ 22 bilhões até 2025. Por isso, a classe médica lança manifesto com dois pontos centrais: a atualização dos padrões nacionais de qualidade do ar do Conselho Nacional do Meio Ambiente, além da atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores.

Ambos dispositivos têm cerca de 30 anos e, segundo a APM, precisam ser ajustados à realidade atual, mirando os próximos anos.

*Informações do repórter Fernando Martins