Militarização de escolas pode funcionar, mas não é a solução, diz secretário da Educação de SP

  • Por Jovem Pan
  • 15/04/2019 08h52
Jovem Pan"A rede de educação, como em São Paulo, pode ter alguns casos, mas a gente precisa olhar para a raiz”, explicou Rossieli

A cidade de Suzano ainda tenta se recuperar do massacre na Escola Estadual Raul Brasil.

 Neste sábado (13), dia em que o atentado completou um mês, a cidade organizou um evento para promover a paz. A aparente falta de segurança que permitiu que dois ex-alunos entrassem sem maiores complicações na escola e munidos de armamentos abriu a discussão sobre a militarização nas escolas e até sobre isso ocorrer na escola de Suzano.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o secretário estadual da Educação de São Paulo, Rossieli Soares, lembrou que “a tragédia em Suzano foge de qualquer curva de normalidade e de qualquer processo de segurança” e negou discussão sobre a militarização da escola.

“Não houve discussão sobre isso por parte do Estado. Em determinada circunstância, ter escola em parceria com a Polícia Militar pode funcionar, mas não é esta a solução para a Secretaria. A rede de educação, como em São Paulo, pode ter alguns casos, mas a gente precisa olhar para a raiz”, explicou Rossieli.

O secretário lamentou que debates como esse podem se desviar por limitações técnicas e culturais enviesadas e defendeu que sejam dados a professores os instrumentos para que eles atuem junto aos alunos. “Não devemos perder tempo com debate errado”.

Sobre o caso de Suzano, especificamente, a preocupação vai além da segurança e fica também no trato para com as pessoas. Rossieli Soares reafirmou a presença de psicólogos na escola e na Secretaria de Ensino para que, se for preciso, encaminhe os pacientes atendidos para áreas de saúde.

Confira a entrevista completa com o secretário da Educação de SP, Rossieli Soares: