Ministros vão ao Congresso nesta semana prestar esclarecimentos sobre projetos prioritários

  • Por Jovem Pan
  • 25/03/2019 06h11
Valter Campanato/Agência Brasil Nesta terça-feira (26), o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara responder a perguntas sobre as duas propostas de reforma da Previdência

Buscando apoio para projetos prioritários na pauta do Governo, ministros irão ao Congresso nesta semana para tirar dúvidas de deputados e senadores sobre as propostas. Nesta terça-feira (26), o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai à Comissão de Constituição e Justiça da Câmara responder a perguntas sobre as duas propostas de reforma da Previdência entregues ao parlamento: a do regime geral e a dos militares.

O convite a Paulo Guedes foi um acordo entre todos os membros da CCJ. Só depois da audiência vai ser escolhido o relator da PEC da Previdência na comissão.

O presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL), confirmou a presença do ministro: “conversei e ressaltei com todos os membros da CCJ que o diálogo e respeito mútuo vão preponderar”.

O líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB), considerou a convocação uma vitória dos partidos que são contra a reforma. E disse que vai cobrar algumas explicações do ministro: “Cobraremos dele os números. Não conhecemos as bases de cálculo para que o Governo estime economia de R$ 1 trilhão em 10 anos”.

Já na quarta-feira (27), vai ser a vez do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, ir à CCJ do Senado. O foco vai ser a discussão do pacote anticrime enviado ao Congresso em fevereiro.

Segundo a presidente da comissão, senadora Simone Tebet (MDB), o debate pode ser mais amplo: “para que o ministro da Justiça possa estar nessa comissão para tratar de todos os assuntos da pasta”.

Também na quarta-feira, estão previstas em outras comissões as presenças dos ministros Ernesto Araújo, das Relações Exteriores; Ricardo Vélez Rodríguez, da Educação; Gustavo Canuto, do Desenvolvimento Regional, e Bento Albuquerque, de Minas e Energia. E ao longo do mês de abril, mais ministros devem vir a pedido dos deputados e senadores.

*Informações do repórter Levy Guimarães