“O brasileiro procura a vacina que falta”, lamenta infectologista

  • Por Jovem Pan
  • 21/07/2018 15h14
Altemar Alcantara/SemcomVacinação contra o sarampo em Manaus; uma cobertura de 100% da população poderia fazer extinguir a doença, diz especialista

Em entrevista à Jovem Pan neste sábado (21), o pediatra e infectologista da UFRJ, Edimilson Migowski, apontou a falta de uma “cultura de vacinação” na sociedade brasileira como uma das causas do aumento de casos de doenças que voltaram a ameaçar o País, como sarampo, poliomielite e rubéola.

O professor avalia que o surto de sarampo, que ocorre especialmente na região norte, não teria acontecido caso a vacinação fosse efetiva. “Se viesse um monte de gente para o Brasil com sarampo e o Brasil tivesse uma cobertura vacinal de 95%, certamente não teríamos uma situação como agora”, disse. Como o sarampo é uma doença que afeta exclusivamente os seres humanos, uma vacinação total da população poderia extingui-la “praticamente”, afirmou.

Ele ponderou que, das doenças da infância, o sarampo é a doença com mais transmissibilidade. “A preocupação é grande, mas tem que garantir que todos nós tenhamos duas doses da vacina no intervalo de um mês até um ano de idade”, disse.

“Não sei se o governo se descuidou”, amenizou o médico. “Acho que houve um ‘comum acordo’, entre população desorientada, doença que teve uma redução e médicos e pessoas mais novas que não viram pessoas morrendo por sarampo”, disse. “Como não se tinham mais casos de sarampo, as pessoas vão negligenciando”.

Sobre a poliomielite, como é uma doença exclusiva de seres humanos, o médico aponta que, “assim como o sarampo, é possível de ser erradicada desde que tenha uma cobertura vacinal de 100%”.

Cultura de vacinação

Migowski entende que o Brasil precisa melhorar sua “cultura de vacinação”.

“O brasileiro procura a vacina que falta”, definiu. “Quando faltou a vacina de febre amarela, todo mundo quis, agora que tem no posto de saúde, ninguém vai mais”, citou o infectologista.

O médico apontou também o fato de o governo ter tido de estender a campanha de vacina contra a gripe. “É importante termos uma cultura de vacinação”, ressaltou.

Dicas

O infectologista estimula as pessoas a checarem suas vacinas e atualizar suas carteiras de vacinação caso não tenham certeza se estão protegidas ou não. “Na dúvida é melhor ir ao posto de saúde, fazer talvez uma segunda dose”, disse, apontando que não há malefícios na medida.

“Quase sempre é melhor dar uma dose a mais que uma dose a menos. Na dúvida é melhor dar uma dose a mais”, disse.

Também não há problema, na maioria dos casos, em a pessoa tomar mais de uma vacina no mesmo dia, “desde que em agulhas separadas, locais(de aplicação) separados”, explicou Migowski. Ouça a entrevista completa: