Operação Irmandade: PF prende Samir Assad em desdobramento da Lava Jato

  • Por Jovem Pan
  • 10/08/2016 09h55
Rio de Janeiro - A Polícia Federal e a Receita Federal deflagraram nesta manhã os trabalhos da 30ª fase da Operação Lava Jato, a operação Vício. Na foto carros da Polícia Federal chegam com malotes e computadores na sede da polícia, região portuária do Rio (Tânia Rêgo/Agência Brasil)Polícia Federal - AGBR

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira (10), em São Paulo, a nova fase da Operação Lava Jato, que investiga esquema de propinas e desvios de recursos nas obras de Angra 3, da Eletronuclear.

A fase, denominada Operação Irmandade, cumpriu um mandado de busca e apreensão e outro de prisão contra Samir Assad. Ele é acusado de ser operador financeiro da Delta, construtora responsável pelas obras, e também do grupo preso na Operação Pripyat, que foi deflagrada em julho.

Samir Assad, principal alvo da Operação Irmandade, é irmão de Adir Assad, preso em 30 de junho na Operação Saqueador. Ele também é acusaod de desvios de recursos nas obras da Delta.

A Operação desta quarta é um desdobramento da Operação Pripyat, quando foi investigado desvio milionário em Angra 3. Dez pessoas ligadas ao núcleo administrativo foram presas.

Denúncia do MPF

O Ministério Público Federal também denunciou nesta quarta, 11 pessoas à 7ª Vara Federal criminal do Rio de Janeiro por lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

Eles são acusados pelo MPF de usar empresas de fachada para emitir notas fiscais frias a grandes construtoras, como a Andrade Gutierrez, durante as obras dos estádios da Copa do Mundo de 2014, da Ferrovia Norte-Sul e do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Samir Assad é um dos acusados, e foi preso na manhã desta quarta. Ele é acusado de 223 crimes de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica, além de organização criminosa.

Denunciados

Outros denunciados hoje foram Marcelo Abbud, que já havia sido preso junto com Adir Assad, e Mauro Abbud. De acordo com o MPF, as empresas Legend Engenheiros Associados, SP Terraplenagem, JSM Engenharia e Terraplenagem e Alpha Taxi Aéreo Ltda usaram recibos falsos para abastecer o caixa 2 da Andrade Gutierrez em mais de R$ 176 milhões.

Também foram denunciados Sandra Branco Malagó, Sonia Malagó e Raul Tadeu Figueroa, acusados de ajudar na lavagem de dinheiro, assinando contratos e recibos falsos pelas empresas de fachada. Os ex-executivos da Andrade Gutierrez Rogério Nora de Sá, Clóvis Renato Numa Peixoto Primo, Flávio David Barra e Gustavo Ribeiro de Andrade Botelho também foram denunciados.

Na denúncia oferecida à Justiça, o MPF esclarece que a Andrade Gutierrez está colaborando com as investigações e já apresentou provas da materialidade dos crimes.

Operação Pripyat

Entre os presos da etapa deflagrada em julho estavam o ex-presidnete da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro, que já foi condenado a 43 anos de prisão por desvios em Angra 3.

*Com informações de Agência Brasil