Parlamentares britânicos retomam atividades e devem definir futuro do Brexit na próxima semana

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 07/01/2019 09h43
EFEMay insiste que se o parlamento não aprovar o acordo que ela costurou, o Brexit pode até acabar não acontecendo

Os parlamentares britânicos retomam suas atividades nesta segunda-feira (07) depois de duas semanas de recesso para literalmente definir o futuro do país.

A votação sobre o acordo de separação da União Europeia está marcada para a terça-feira (15) e nada indica que o texto será aprovado. Tanto que o país já está se mobilizando para as consequências da separação sem acordo.

Hoje mesmo um teste está sendo realizado na região do eurotúnel com mais de 100 carretas para verificar procedimentos de inspeção que serão implementados após o Brexit. 

Se o divórcio ocorrer sem acordo, em tese, a relação entre o Reino Unido e a União Europeia passará a ser puramente pelas regras da Organização Mundial do Comércio. Ou seja, não serão muito distintas do que a relação burocrática que o Brasil tem com o bloco, por exemplo. E as dores de cabeça por conta disso são incalculáveis.

Como parte de seu jogo retórico para evitar este cenário, a primeira-ministra, Theresa May, insiste que se o parlamento não aprovar o acordo que ela costurou, o Brexit pode até acabar não acontecendo. E na prática até este cenário é possível, o do Reino Unido cancelar o Brexit e acabar do jeito que está.

As movimentações em torno de um segundo referendo são intensas, há quem fale em suspender o Brexit por dois anos, ou ainda criar um período de transição para o divórcio que se estenderia por tempo indeterminado.

A União Europeia insiste que não vai melhorar as condições do acordo firmado com Theresa May. E agora cabe ao parlamento do país definir o desfecho que essa confusão toda iniciada em 2016 irá tomar.