Primeira Parada LGBT na Georgia é cancelada por tensões políticas

  • Por Jovem Pan
  • 24/06/2019 08h32
DANILO M YOSHIOKA/Estadão ConteúdoPaís tem histórico de repressão ao evento

A primeira Parada do Orgulho LGBT oficial da Georgia, planejada para o fim de semana, foi cancelada. Os organizadores da marcha decidiram adiar o evento, que seria realizado em Tbilisi, neste domingo, por causa da tensa atmosfera política no país.

Na última semana, diversos protestos tomaram as ruas da capital após um parlamentar da Rússia discursar no Congresso georgiano, em russo, sentado na cadeira do presidente da Casa. A Geórgia cortou relações diplomáticas com o país de Vladimir Putin em 2008, durante uma guerra por disputas territoriais.

A visita da delegação foi considerada uma afronta pelos manifestantes. O estudante Ucha Meladze declarou que a juventude se reuniu para alertar que a Rússia quer “ocupar” territórios.

Diante desse cenário, a Parada do Orgulho Gay precisou ser cancelada. Somou-se a isso o histórico de repressão ao evento no país. Em maio de 2013, quando ativistas realizaram uma manifestação contra a discriminação, houve muita violência.

Apesar de ter leis contra a homofobia, o próprio governo tentou evitar a realização da Parada por motivos de segurança.

Ainda no leste europeu, no domingo, a Ucrânia foi palco da maior parada LGBT do país, mas ativistas precisaram ser escoltados pela polícia por causa de protestos da extrema-direita. Para o participante do desfile, Vitaly Tsaryuk, a Ucrânia deu um grande passo com a realização da parada, no entanto ele teme que as pessoas ataquem a comunidade LGBT após os desfiles.

Mais de oito mil pessoas desfilaram pelas ruas de Kiev. De acordo com a polícia, apesar do clima tenso, não houve grandes interferências e apenas 12 pessoas foram detidas.

*Com informações da repórter Marcella Lourenzetto