Qualidade do ar melhora em SP mesmo com expansão da frota automotiva

  • Por Jovem Pan
  • 19/07/2019 07h26
PixabayEntre as causas para a diminuição da poluição estão o surgimento de veículos com novas tecnologias e de combustíveis com um teor menor de enxofre

Os níveis de gases poluentes registrados na região metropolitana de São Paulo em 2018 estão entre os mais baixos das últimas décadas. É o que mostra o relatório de qualidade do ar da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo.

Em 2000, a concentração de fumaça e fuligem na atmosfera era de 47ug/m³. Em 2018, o volume registrado foi de 18ug/m³.

Já a concentração média de dióxido de enxofre, um dos gases provenientes da queima do Diesel, caiu de 16 18ug/m³ em 2000, para 218ug/m³ , em 2018.

A melhora vem mesmo com a expansão da frota automotiva no Estado. Só a região metropolitana de São Paulo tem mais de 7 milhões de veículos em circulação

Entre as causas para a diminuição da poluição, conforme aponta o relatório, estão o surgimento de veículos com novas tecnologias menos poluentes e de combustíveis com um teor menor de enxofre.

Para a presidente da CETESB, Patricia Iglecias, a melhora também se deve as políticas públicas nacionais aplicadas no Estado.

“O Proconve e o Promot, que são programas que acompanham a nossa frota, acompanham como os veículos estão, acompanham as novas tecnologias, Mas [a melhora se deve] também por ações educativas.”

Os Programas de Controle da Poluição do Ar por Veículos, citado por Iglecias, estabeleceram limites de emissão de poluentes, considerando a qualidade dos combustíveis e tecnologias dos motores de carros e motos.

Atualmente, ter um automóvel menos poluente é lei.

*Com informações da repórter Victoria Abel