Reale Jr. critica Bolsonaro: ‘Como um homem que virou mito vai governar? Falou pelo WhatsApp e Twitter’

  • Por Jovem Pan
  • 23/10/2018 08h40
Fernando Bizerra/Agência SenadoO jurista ressaltou ainda que Bolsonaro está em um partido pequeno e que o candidato não possui relações políticas e sociais

A apenas cinco dias da eleição que decidirá o próximo presidente da República, a dúvida é quanto ao Governo a ser exercido, provavelmente, de acordo com as pesquisas, por Jair Bolsonaro (PSL). A mesma preocupação é externada pelo jurista signatário do impeachment de Dilma Rousseff, Miguel Reale Jr.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã ele questionou: “Como um homem que virou mito vai governar tendo que negociar com o Congresso, com a sociedade e que não negociou com a sociedade em momento nenhum? Falou pelo WhatsApp, pelos 140 caracteres do Twitter, não se sabe o que ele pensa, o que ele propõe. Vai ter que governar sem que se saiba as suas propostas”.

O jurista ressaltou ainda que Bolsonaro está em um partido pequeno e que o candidato não possui relações políticas e sociais. “Foi eleito através da força das redes sociais contrariamente a todas as instituições, em estrutura política inexistente”, acrescentou.

Migue Reale Jr. declarou ainda que mesmo sua posição contrária não o fará ir para o lado de Fernando Haddad (PT), e que votará nulo no domingo (28).

Fala de Eduardo Bolsonaro

Nos últimos dias, viralizou um vídeo de Eduardo Bolsonaro, datado de antes do primeiro turno, em que o deputado federal eleito disse que bastaria um cabo e um soldado para fechar o Supremo Tribunal Federal.

A fala do filho de Bolsonaro levantou reações na sociedade e na classe política e do Judiciário. Reale Jr. disse que a fala é um “acinte” e demonstra um clima de falta de respeito às instituições.

“Eu já disse que um democrata não vota em Bolsonaro. Porque é demonstração de ausência de cultura democrática. É da larga tradição da sua vida ao longo de 27 anos de parlamento, a favor da tortura… essa trajetória, e ela que se transmitiu a seus filhos. Se existe decisão, mesmo que absurda, que contraria seu interesse, vai ao STF e fecha a Suprema Corte. É a falta absoluta de respeito às instituições”, disse.

O jurista afirmou que foi bom que a fala veio à tona antes da realização do segundo turno e da posse, já que “infelizmente sabe-se que ele será eleito”, pois assim evita-se que fatos desta natureza voltem a ser repetidos.

Confira a entrevista completa com o jurista Miguel Reale Jr.: