Representantes do agronegócio protestam contra MP que fixa tabela de frete

  • Por Jovem Pan
  • 11/07/2018 06h15
Agência BrasilA matéria, que já está em vigor, foi editada pelo Governo federal e é parte do acordo com os caminhoneiros na greve de maio

Representantes do agronegócio foram à Câmara dos Deputados protestar contra a Medida Provisória que fixa um tabelamento do frete para o transporte rodoviário de cargas.

A matéria, que já está em vigor, foi editada pelo Governo federal e é parte do acordo com os caminhoneiros na greve de maio. A tendência é que ela seja votada pelo Congresso só em agosto, depois do recesso parlamentar.

O setor agrícola pressiona pela não-aprovação, afirmando ter prejuízos com a medida. Ela é classificada por entidades de produtores como irresponsável e ineficiente.

Para o gerente de economia da Associação Brasileira da Indústria de Óleos Vegetais, Daniel Amaral, a proposta freia o crescimento do País: “se essa tabela vingar, o Brasil vai perder PIB, ter meos empregos, menos competitividade, vai haver aumento de inflação, aumento do custos de produtos da cesta básica”.

O setor de milho, por exemplo, prevê uma queda de 10% nas exportações devido à diminuição na produção gerada pela incerteza sobre o preço do transporte nos próximos meses.

O ponto também é destacado pelo presidente da Associação dos produtores de Soja, Bartolomeu Braz Pereira: “com esse impasse você não tem a certeza de como será. Travou todo o mercado”.

Também nesta terça (10), o Senado aprovou uma proposta que retoma benefícios fiscais ao setor de refrigerantes. A tributação tinha sido aumentada pelo Governo federal como forma de compensar a redução nos impostos sobre o diesel.

*Informações do repórter Levy Guimarães