Sem falar em ‘maldição’, vice-governador de SP cita herança de França: ‘Menor caixa da história’

  • Por Jovem Pan
  • 15/01/2019 08h31
Jovem Panodrigo Garcia relembrou que desde a gestão Covas São Paulo tinha uma situação mais confortável que de agora, mas que o momento não é de caça às bruxas

Sem criticar de maneira explícita a gestão anterior de Márcio França (PSB) em São Paulo, o atual vice no Estado, Rodrigo Garcia (DEM), disse que o “governo recebeu o menor caixa da história” para iniciar o novo mandato.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, Garcia disse que o Estado “todos os anos virava com três folhas de pagamento em caixa e agora virou com uma”. “São Paulo estava sempre no azul, esse ano precisou da arrecadação de janeiro para pagar suas contas”.

Evitando dizer que o Estado recebeu uma “herança maldita”, Rodrigo Garcia relembrou que desde a gestão Covas São Paulo tinha uma situação mais confortável que de agora, mas que o momento não é de caça às bruxas.

Doria não pediu caça às bruxas. Ele pediu que revíssemos contratos, convênios. E o que está sendo cancelado são convênios sem nenhum formalismo. Estamos fazendo revisão isonômica, mas com a ordem do governador de resolver problemas e olhar para frente”, disse.

Doria presidente?

O vice-governador desconversou sobre a possibilidade de assumir o governo de SP em meados de 2022 quando há a possibilidade de João Doria se candidatar à Presidência da República.

“Estou preparado para fazer um grande governo ao lado dele. Eu acho que esses quatro anos são uma grande oportunidade de São Paulo dar salto de qualidade na gestão e ser percebido pela sociedade”, finalizou.

Confira a entrevista completa com o vice-governador de SP, Rodrigo Garcia: